A face não tão oculta de um especulador : Zelensky, presidente da Ucrânia

A grande imprensa, com seu cabedal técnico de investigação e apesar de uma rede jornalística mundial ter revelado os Pandora Papers em outubro de 2021, “esquece” que Volodymir Zelensky, presidente da Ucrânia, é sócio de mafiosos e testa de ferro de especuladores internacionais.

Apurou-se que ele e sua equipe da produtora de televisão Kvartal 95, onde ele se apresentava como comediante, fazendo críticas a políticos corruptos, montaram uma rede de offshores desde 2012, para ajudar o milionário Ihor Kolomoisky a “esconder” seus lucros em paraísos fiscais.

Kolomoisky é acusado de fraudes fiscais bilionárias, mas Zelensky também tem relações com outros personagens estranhos, como Ivan Kavanov, chefe do Serviço de Segurança da Ucrânia e suspeito de golpes financeiros. Os documentos da Pandora Papers mostraram que pouco antes de ser eleito – com 73% dos votos – Zelensky “doou” sua participação em uma das suas offshores (Maltex Multicaxpital Corp), registrada nas Ilhas Virgens Britânicas, para Serhiy Shefir, seu principal assessor presidencial – foi um acordo que se tornou “legal” quando ele assumiu o poder, que permite o repasse de dividendos para a primeira dama.

Os documentos relevados pelos Pandora Papers comprovam que Zelensky e vários familiares, com a ajuda de uma consultoria offshore, a Fidelity Corporate Services, parte de um conglomerado de outras 14 financeiras, usaram empresas das Ilhas Virgens Britânicas, Chipre e Belize. Essa manobra possibilitou a compra de imóveis em Londres por US$ 2,28 milhões, em 2016. Outro imóvel, adquirido por US$ 3,5 milhões já tinha sido comprado em 2014 e em 2018 foi “transferido” para outra offshore, a SHSN Limited.

Há mais “expertise” na vida de Zelensky, usado por milionários mafiosos, como Andrii Iakovlev, acionista da Kvartal 95 (a televisão em que se exibia). Mas Zelensky tanto foi usado como usou fraudadores para chegar à presidência. Isso não impede que a mídia ocidental o considere herói: como sempre, as circunstâncias fazem as conveniências. Talvez já seja normal roubar do povo e transferir o dinheiro para paraísos fiscais. Putin é até pior e mais rico do que Zelensky. E os Pandora Papers tem uma lista de milionários brasileiros que, embora devendo para a Receita Federal mantêm depósitos em offshores – vai de Eike Batista até Paulo Guedes, passando por muita gente boa – todas “pessoas de bem”.

Como se sabe, Zelensky teve grande sucesso na televisão ao se exibir, a partir de 2015, o programa Servo do povo, onde denunciava a corrupção financeira e política. Ele se apresentava como um professor de história dando um curso contra a corrupção, que foi filmado por um aluno e posto nas redes sociais. Foi um sucesso e em 2018 ele se elegeu presidente da Ucrânia.