A dupla face da política tem uma só face. Qual é a face real de Bolsonaro e Elon Musk?

Se observarmos criticamente a dupla face da política tem uma só face. Os Estados Unidos, por exemplo, explodiram bombas atômicas sobre o Japão, o segregacionismo racial prevalece, mas usam um discurso humanista salpicado de cristianismo. Exaltam a democracia, porém, a desigualdade econômica e política é imensa, agravada pelo racismo e exclusão social. Seu judiciário é famoso pelo sucesso de advogados caros na defesa dos privilégios dos ricos. Qual é a sua face real?

O Brasil, a filial mais importante do Tio Sam, segue o mesmo modelo, com as variações óbvias. Bolsonaro é o governante mais mentiroso da história. No entanto cita a Bíblia: “a verdade vos libertará”. Sua família está envolvida em denúncias de corrupção (os filhos, as ex-mulheres e a atual, incluindo outros parentes) e ele se apresenta como modelo de honestidade. Uns 20% de “pessoas de bem” o seguem fanaticamente e outros tantos o preferem ao “perigo vermelho”. Quem está olhando qual face?

Bolsonaro passou trinta anos defendendo a tortura. É tão tosco que foi repudiado até pela ditadura: praticamente foi expulso do Exército com o “elogio” do general Geisel (“é um mau militar”). Apoiado por militares convive com outra parcela da impostura brasileira, os pastores pentecostais. Debocha das minorias, é racista e agride mulheres, além de contribuir para o agravamento da epidemia. & etc. Porém, e daí? – como ele mesmo diz.

Daí que um tipo desses que desmontou o frágil estado de direito e arrebentou a economia, permitiu a agressão impune sobre a Amazônia e ameaça vender a Petrobras, usa da mentira para entregar o que ainda temos, justamente a quem? – aos asseclas de Trump, aos especuladores internacionais que diariamente são desmascarados pela imprensa, mas que continuam “respeitados” por muitos empresários e são acolhidos por governos da periferia capitalista. Trata-se de Elon Musk, um vigarista de alta classe e megalômano ridículo, que procura minérios indispensáveis para fabricar as baterias dos carros elétricos da Tesla.

Com Bolsonaro no Brasil e Trump nos Estados Unidos a Amazônia será uma fonte para o saque de minérios. Entre outros metais e minerais, a região é rica em cobre, ouro e, principalmente manganês, níquel e estanho, o que interessa a Musk. Para quem ainda não perdeu a memória não custa relembrar o golpe na Bolívia, em 2020. Questionado sobre seu papel no episódio, ele “tuitou”: “Nós derrubaremos quem quisermos” – falava respaldado pela CIA e por megacorporações transnacionais.

Imaginem Bolsonaro reeleito, Trump de volta e Musk dono do Twitter – é o cenário perfeito para a bananização do Brasil – voltaremos à nossa “vocação” histórica: República das Bananas (e dos bananas). Esse complexo político tem dupla face que ao fim, mostra sua verdadeira face: ao fazer um discurso que se choca com a realidade, revela a face real – a da empáfia, da mentira, da mendacidade. O problema é que, por uma série de razões que não cabem aqui, a dupla face contribui para que o povo não acredite ou não perceba a verdade – a única face que interessa.